13 Melhores Discos Internacionais de 2019

 

Seguimos na divulgação das listas de melhores de 2019. Agora ficamos com os álbuns estrangeiros lançados ao longo do ano. É quase impossível ouvir tudo o que é produzido, portanto, ficamos com uma ilusão de bom senso crítico, que abarca o que há de melhor sendo comentado na Inglaterra, que ainda é o grande centro cultural da música pop planetária. Claro, não dá pra deixar de lado o que os americanos ouvem, ainda que seja tudo muito eletrônico e superpop/rap, sobrando pouco espaço para outros estilos. O rock alternativo continua … alternativo, circunscrito a âmbitos variáveis, mas com certas bandas mantendo um público fiel.

 

O que parece diferente é que uma banda estreante como os irlandeses Fontaines DC não vai nunca ter a fama e a visibilidade de Billie Eilish, e ambos são duas enormes revelações do ano, emplacando seus álbuns de estreia na lista de melhores ou de discos importantes do ano. Também temos que destacar MorMor, canadense hábil nos idiomas do pop clássico, com um belo EP de estreia. Young Guv, outro canadense, surgiu do anonimato para emplacar dois belos discos powerpop nas paradas muito alternativas e a gente foi resgatá-lo para os leitores ouvirem. Também ficamos felizes em trazer Chemical Brothers de volta à lista de melhores do ano, bem como Pete Yorn, que lançou um disco cinza/praiano chamado “Caretakers”. Enfim, a lista taí embaixo. Ouçam, leiam, é tudo pra vocês. 🙂

 

 

13 – Pond – Tasmania – Banda australiana consegue forjar uma liga em que psicodelia, funk, música para dançar e ótimas canções convivem em harmonia.

Veja resenha

 

 

12 – White Reaper – You Deserve Love – Quinteto americano lança  disco que se esbalda no powerpop setentista e no rockão anabolizado do início dos anos 1980, com ótimas canções. E dura menos de meia hora.

Veja resenha

 

 

11 – White Denim – Side Effects – Banda de Austin, Texas, lança disco sensacional, conciso, psicodélico e moderníssimo, mostrando que o rock está vivo e bem.

Veja a resenha

 

 

10 – Van Morrison – Three Chords And The Truth – Novo disco de Van Morrison comprova sua fase exuberante, em que lança quase dois álbuns por ano e reafirma sua fluência nos idiomas clássicos do rock, blues, soul e country.

Veja a resenha

 

 

09 – Liam Gallagher – Why Me, Why Not? – Novo disco de Liam Gallagher reafirma seu crescimento artístico e o coloca em pé de igualdade em relação ao irmão, Noel.

Veja a resenha

 

 

08 – Bruce Springsteen – Western Stars – Movie Version – Novo disco mostra Bruce Springsteen envolto em canções cujos maiores atrativos são o trabalho de estúdio, os arranjos orquestrais e o imaginário que evocam. A versão do filme mostra o repertório ao vivo e uma cover brilhante de “Rhinestone Cowboy”, famosa na voz de Glen Campbell.

Veja a resenha

 

 

 

07 – Pete Yorn – Caretakers – Novo disco de Pete Yorn dialoga com lembranças e sonoridades guitarreiras que enobrecem suas canções .

Veja a resenha

 

 

06 – The Chemical Brothers – No Geography – Dupla inglesa retorna com disco arejado, cheio de canções dançantes e abarrotadas de samples, feitas sob medida para você gostar de música eletrônica.

Veja a resenha

 

 

05 – The Cinematic Orchestra – To Believe – Grupo britânico retorna com disco belíssimo após hiato de doze anos e reforça sua receita de longas passagens instrumentais com vocais contrastantes.

Veja a resenha

 

 

04 – Kaytranada – Bubba – O canadense Kaytranada é uma espécie de Bruno Henrique da produção musical. É discreto, dono de enorme talento e letal dentro de um estúdio. “Bubba”, seu novo disco, é um dos melhores do ano.

Veja a resenha

 

 

03 – Whitney – Forever Turner Around – Novo disco da dupla reforça a receita da estreia e entrega um ramalhete de belas canções agridoces.

Veja a resenha

 

 

02 – Young Guv – Guv I/II – os dois discos que Young Guv lançou neste ano saíram em versão dupla, ampliando o espectro de influências para além do powerpop perfeito e chegando a lugares dourados, há muito perdidos.

Veja a resenha: Guv I

Veja a resenha: Guv II

 

 

01 – Fontains DC – Dogrel – A estreia dos irlandeses do Fontaines DC é um desses discos perfeitos, em que guitarras cortantes e melodiosas se juntam para saudar o melhor rock possível em 2019.

Veja a resenha

 

 

 

Outros 13 Discos para ouvir: 

Harry Styles – Fine Line

Mercury Rev – Bobby Gentry The Delta Sweetie Revisited

MorMor – Some Place Else

Billie Eilish – When We All Fall Asleep, Where Do We Go?

Yola – Walk Through Fire

Raconteus – Help Us Stranger

Courtney Barnett – MTV Unplugged

Leonard Cohen – Thanks For The Dance

Kim Gordon – No Home Record

Foxygen – Seeing Other People

Bob Mould – Sunshine Rock

Brand New Heavies – TBNH

Vampire Weekend – Father Of The Bride

2+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

3 thoughts on “13 Melhores Discos Internacionais de 2019

  • 26 de dezembro de 2019 em 21:34
    Permalink

    Que pena. Acontece. É meu preferido desse (ótimo) ano.

    0
    Resposta
  • 26 de dezembro de 2019 em 20:53
    Permalink

    Não gostou do disco do Nick Cave?

    0
    Resposta
    • 26 de dezembro de 2019 em 21:13
      Permalink

      Rapaz, eu não gostei. Eu ainda – estou velho já – não consegui sacar a beleza do Nick Cave. Meu disco preferido dele é de covers…

      1+
      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *