Marisa Monte lança “Cinephonia”

 

 

“Durante mais de 30 anos de atividade produzi e acumulei uma quantidade colossal de arquivos e informações nos diversos tipos de formatos e suportes existentes. Arquivos de áudio (de K7 a 2 polegadas), de audiovisual (de VHS a película), fotografias (papel, contatos e slides), partituras, clipping de imprensa, documentos, projetos gráficos, registros de ensaios, áudios de canções sendo compostas, manuscritos, projetos gráficos etc.

 

Nestes últimos quatro anos passei horas envolvida em um tipo de trabalho que é completamente invisível aos olhos do público, mas que foi fundamental para que eu tivesse acesso em um só lugar a todos os dados produzidos durante minha trajetória. Para isso fui em busca de um novo tipo de parceria, desta vez com arquivistas, biblioteconomistas, pesquisadores, restauradores de áudio e vídeo, técnicos em informática. Uma quantidade enorme de informação a ser organizada num trabalho gigantesco, contínuo e infinito que hoje faz parte de um arquivo virtual que mora nas nuvens, onde está toda minha obra digitalizada, catalogada, restaurada e organizada.

 

Assistir, escutar, ter tudo isso acessível foi fundamental para que hoje eu possa colocar ao alcance do público esse material que chamei de Cinephonia. Cine (movimento/imagem) e Phonia (som). Os sons das imagens.

 

Todas estas canções têm em comum o fato de serem parte de trilhas sonoras dos meus registros audiovisuais, mas que não estavam disponíveis em áudio streaming. Escutar sem assistir transforma a relação entre o público e a música, propõe a liberdade para cada um criar suas próprias imagens”, conta Marisa Monte.

 

 

O lançamento do catálogo será feito em três fases (11/06, 19/06 e 26/06) começando com “Memórias 2001 – Ao Vivo” perfazendo um total de 30 canções gravadas por Marisa Monte em vídeos VHS e DVD.

 

Além disso, Marisa lança o site Cinephonia, no qual o fã poderá navegar por todas as informações referentes a estes e outros registros de sua carreira.

 

1+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *