Eu e Jorge Drexler, dez anos atrás

 

 

Há dez anos eu ainda colaborava com a Rolling Stone Brasil e fui pautado para resenhar o então novo álbum de Jorge Drexler, “Amar a la Trama”,  seu 11 º trabalho.  Além da resenha, tive a chance de entrevistar Drexler por telefone e me deparei com uma das pessoas mais educadas com que já falei. Além dos assuntos relativos ao álbum, o papo – curto – foi para outros lados, explorando o fato dele ser médico de formação e ter abandonado a carreira para ser cantor. E, claro, sendo ele um uruguaio radicado na Espanha, futebol, uma vez que estávamos às vésperas da Copa de 2010, na África do Sul.

 

Revirando meus arquivos dei de cara com a entrevista e resolvi revivê-la, uma vez que a Rolling Stone não a publicou, limitando-se apenas ao texto que fiz sobre o álbum, que está abaixo, em streaming. Sendo assim, ela é inédita.

 

 

Jorge Drexler está pelo mundo. No momento da entrevista por telefone, o uruguaio fala diretamente de Toronto, no Canadá. Seu novo disco, Amar A La Trama, deixa de lado o revestimento eletrônico que caracterizou seus trabalhos de maior sucesso, como Frontera (2000), Eco (2004) e 12 Segundos de Oscuridad (2006). Simpático e em bom português, Drexler falou, além do conceito que rege seu disco, sobre medicina, protozoários, MPB e a seleção do Uruguai na próxima Copa do Mundo.

 

– Amor a la trama tem arranjos de metais e foi gravado ao vivo, você está cansado de usar elementos eletrônicos em sua música?

Eu quis fazer um disco “pós-pro-tools”. Busquei uma gravação baseada na interação subliminar entre as pessoas. Os músicos perdem essa interação quando gravam separadamente e eu quis resgatar isso. Lidar com as imperfeições, com o ocasional. Eu tive a intenção de registrar essa espontaneidade emocional, com erros e ruído, evitando uma perfeição que não surpreenderia ninguém. Muita gente está buscando isso no mundo, de Bon Iver a Moreno Veloso e Marcelo Camelo.

 

 

– As /uas canções são extremamente visuais, você se considera uma pessoa observadora?

Sim, eu sou, mas eu diria que observo mais auditiva que visualmente. Meu disco anterior, Cara B (ao vivo, 2008) trazia a premissa de andar pelo mundo com ouvidos abertos. Para isso gravamos sons de várias cidades, ruídos de aviões, carros. Me sinto observador nesse nível e acho que o resultado natural é uma música com essa característica “visual”.

 

 

– E como foi trocar a medicina pela música pop?

Foi fácil. Eu diria que foi violento e fácil, não por conflito, mas por ter sido uma mudança súbita e profunda. Eu mudei de país (do Uruguai natal para a Espanha) de situação econômica, horários, rotina, tudo mudou. Eu posso afirmar, no entanto, que muitas mudanças na minha vida me apavoraram muito mais do que essa. Eu amo a medicina e sempre procurei trazer algo dela para a minha música. Nunca perdi a maneira de ver as coisas com o olhar da medicina.

 

 

– Várias canções suas ao longo de sua carreira mencionam termos científicos, filosóficos e uma preocupação constante com a passagem do tempo e do espaço pelas pessoas. Qual o segredo para transformar essa linguagem erudita em música pop?

Eu gosto muito dessa observação sobre essa nossa condição de seres pequenos num universo enorme. Isso sempre me fascinou. Eu não tenho formação literária, mas biológica, da percepção do entorno, de gostar de opostos, do perto e do longe ao mesmo tempo, do problema e da solução. Gosto da supresa, de tornar o imprevisivel, previsivel e vice-versa. Caetano veloso tem essa habilidade de ser imprevisivel, não se acomodar, chico buarque também. Quero essa isso para mim. No disco tem uma canção chamada “Noctiluca”, que eu fiz para meu filho Luca. A noctiluca é um protozoário marinho que emite uma luz. É muito comum na Espanha, nem tanto no Uruguai, acho que vocês no Brasil devem conhecer o termo.

 

– Como está sua produção de trilhas sonoras para o cinema?

Eu acabei de concluir a trilha do próximo filme do James Ivory (diretor inglês que filmou Vestígios do Dia, entre outros). Chama-se The City Of Your Final Destination, estou encantado por ele. Também compus a canção final para o filme Lope, do Andrucha Waddington, sobre a vida do poeta e dramaturgo espanhol Lope de Vega. Adoro fazer trilhas para cinema.

 

 

– E o que você tem ouvido atualmente?

Estou encantado com os trabalhos de Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Orquestra Imperial, Moreno Veloso, Kassin e Domênico. Gosto da maneira como esse pessoal busca a música mais “imperfeita”, sem a preocupação com os padrões e, ainda assim, ser totalmente MPB. Aliás, fiquei muito feliz quando Nélson Motta fez menção a mim como um “integrante da MPB”. Eu quis buscar um pouco desse espírito para o meu disco, de buscar a arte nas canções através da espontaneidade.

 

 

– Quais as chances do Uruguai na Copa da África do Sul? Seu segundo time é o Brasil ou a Espanha?

Vou torcer para o Uruguai, claro. Em segundo lugar vem a Espanha. O Brasil vem em terceiro lugar! Espero que eu não tenha que abrir mão da minha torcida muito cedo!

 

Em tempo: o Uruguai chegou ao quarto lugar na Copa, sua melhor colocação desde 1970, quando foi chegou ao mesmo posto, no México.

 

 

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

2 thoughts on “Eu e Jorge Drexler, dez anos atrás

  • 30 de dezembro de 2020 em 16:42
    Permalink

    Cara sensacional.

    0
    Resposta
  • 30 de dezembro de 2020 em 15:34
    Permalink

    Maravilha, bro. Drexler ídolo.

    +1
    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *