Alicia Keys – Alicia

 

 

Gênero: R&B

Duração: 54 min.
Faixas: 15
Produção: 1500 or Nothin’, Jonny Coffer, Ludwig Göransson, Alicia Keys, Rob Knox,
Sebastian Kole, Delano “Sean C” Matthews, Morgan Matthews, Johnny McDaid, Jimmy Napes,
P2J, Mark Ronson, Sampha, Tricky Stewart, Swizz Beatz, Khirye Taylor, Ryan Tedder, Noel
Zancanella
Gravadora: Sony

4 out of 5 stars (4 / 5)

 

Alicia Keys estava sem lançar disco de inéditas desde “Here”, de 2016, um trabalho em que promovia um abraço mais apertado ao hip-hop. Se isso funcionou em alguns aspectos relativos à modernidade/urgência de algumas canções e casou com a imagem mais engajada que a cantora e compositora abraçou ao longo dos anos 2010, deu a certeza de que Alicia é uma mulher muito mais talentosa do que uma artista de um estilo só. Sua graça é o leve trânsito por vários caminhos da música negra contemporânea, sem afetação, sem pegar a imagem e colocar acima de tudo. Além da ótima voz, da inteligência, do talento como compositora, esta fluência em vários idiomas correlatos a distinguem de gente como Beyonce, Rihanna e congêneres. E tem o elemento pop, que Alicia também domina, via piano, instrumento em que ela manda muito bem. Pois bem, “Alicia”, este novíssimo disco, é um retorno a essa vontade de ser mosaico, de ciscar em vários terreiros. Repito: poucas conseguem fazer isso como ela.

 

Vocês devem ter visto que há mais produtores que faixas no álbum e esse espírito “collab” é “tendência” em discos de pop, o que pode tornar a audição fragmentada, obedecendo à tendência de se lançar singles em vez de álbuns, mas há coesão aqui e a presença de Alicia é a chave pra entender, justo por conta desta fluência dita ali em cima. Ela vai desfilando graciosamente pelo R&B mais clássico, pelo pop dançante, pelas baladas mais clássicas, por algumas canções que têm acento reggae, que tem abraço discreto ao dub…convida gente como Sampha, Mark Ronson, Khalid, Miguel e Jill Scott pra dar tonalidades diferentes aqui e ali mas Alicia é quem brilha e chama pra si a responsa de oferecer relevância musical e profundidade nas letras. Há crítica social, política e algumas singelas e interessantes canções sobre o amor, este sentimento que parece – e é – inimigo da fluidez forçada dos dias de hoje.

 

Como se não bastasse tudo isso, “Alicia”, o disco, ainda tem várias canções ótimas. Não lembro de um trabalho recente de Keys que trouxesse tanta música boa. Ainda que a faixa de abertura, “Truth About Love”, tenha versos bacanas sobre o dano que as pós- verdades/fake news podem causar no mundo, a segunda canção, “Time Machine”, é uma faixa funky, cheia de baixos sensacionais e muito, muito legal. Depois, pule até “Authors Of Forever” e veja a lindeza de melodia que Alica tira e que arranjo legal ela trama com a produção de Mark Ronson. É daquelas faixas em midtempo (mais para balada) que fazem tanta falta. Logo em seguida tem a arrepiante “Wasted Energy”, um simpaticíssimo reggae em ritmo confortável e cheio de charme. A voz de Keys está especialmente bela aqui.

 

As faixas mais contemplativas também são excepcionais. “Underdog” é balada soul com violões, corais pop, falsetes, efeitos legais de teclados e samples, ou seja, é uma lindeza de refrão amistoso e classudo. “3 Hour Drive” tem os vocais etéreos de Sampha com um efeito interessante, enquanto “Love Looks Better” é cheia de pianos, batida pop e uma letra otimista sobre o quanto é legal amar. “Gramercy Park” é uma … valsinha ao piano e percussão, com um clima melancólico que não chega a doer. “Jill Scott”, uma faixa em homenagem a uma das excelentes cantoras soul/r&b surgidas na virada dos anos 1990/2000, é outra lindeza solar, que parece até algo que poderia ser assinado por Minnie Ripperton. E a beleza vai embora nas duas últimas faixas, cacetadas na polícia e no racismo, “Perfect Way To Die” e “Good Job”.

 

Alicia Keys é excelente e quando se comporta como a grande artista que é, tudo funciona melhor. “Alicia” é um disco que lhe faz jus, o melhor que ela lança em muito, muito tempo.

 

Ouça primeiro: “Time Machine”

 

1+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *