New Order – Σ(No,12k,LgMif) New Order + Liam Gillick: So It Goes

 

Gênero: Eletrônico
Faixas: 18
Duração: 95:53
Produção: New Order
Gravadora: Mute

4.5 out of 5 stars (4,5 / 5)

 

É uma espécie de teste de caráter: que não gosta do New Order, bom sujeito não há de ser. A banda de Manchester, herdeira do Joy Division, descobridora de um caminho próprio e novíssimo dentro do rock, cheio de música eletrônica e sensibilidade é, seguramente, um dos maiores grupos da história da música pop. Aventureiro, bom de hits, bom de disco e, ao fim e ao cabo, bom de show. Este novíssimo “Σ(No,12k,LgMif) New Order + Liam Gillick: So It Goes” é seu quinto disco ao vivo e, ao contrário do que parece, está longe de ser repetitivo e/ou desnecessário. Aliás, cada álbum deste tipo lançado pelo New Order tem seus encantos e charme próprios, vale a pena conhecer e se encantar.

 

Este novíssimo registro é fruto de apresentações capturadas em Manchester, nos estúdios de uma emissora de TV, nos quais o grupo, ainda como Joy Division e com Ian Curtis nos vocais, debutou em 1979. Lembrem-se: apesar do Joy ser considerado um baluarte do pós-punk, justamente por também ter encontrado um caminho próprio em meio à mesmice, teria sua carreira abreviada pelo suicídio de Curtis em pouco tempo. Deixaria, portanto, dois discos, esparsos registros ao vivo e alguns lados-B para a posteridade, compondo uma obra importantíssima, ainda que escassa. Sendo assim, gravar algumas destas canções e misturá-las aos próprios sucessos e lados B de sua carreira, conferem ao New Order – não que isso seja necessário – o posto de herdeiro inconteste de tudo o que aconteceu há mais tempo do que sua própria história. Em lançamentos como este, creiam, isso é muito importante.

 

Aqui estão canções que não são executadas há mais de 30 anos. Também estão canções do Joy Division, obscuridades do próprio New Order e alguns sucessos. Temos, da lavra do Joy, três canções: “Decades”, “Disorder” e “Heart & Soul”, cada uma pertencendo a seu contexto e redimensionada para esta celebração. Entre as preferidas da banda, que os chatos de plantão gostam de chamar de “deep cuts”, temos “Your Silent Face”, “In a Lonely Place” e duas preferidas deste que vos escreve, a sinfônica e impressionante “All Day Long” e a cintilante “Sub Culture”, favorita dos tempos de Santo Agostinho. Tem “Bizarre Love Triangle”, mais hit aqui do que em qualquer parte do mundo. Tem “Vanishing Point”, ainda impressionante depois de todos esses anos. Tem “Shellshock”, tem canções recentes, como “Behind Closed Doors” (lado B de “Crystal, single de 2001, presente no disco “Get Ready”), “Plastic” (do último álbum, “Music Complete” e dois registros do subestimado “Waiting For The Sirens Call”: “Who’s Joe?” e “Guilt Is a Useless Emotion”. Como podemos ver, poucas concessões para hits, é mais um disco para iniciados e admiradores de longuíssima data.

 

A parte visual do show – lançada em DVD/Blu-Ray lá fora, assim como o disco – traz a participação do artista Liam Gillick, que dá continuidade à estética que a própria banda incorporou desde o início da carreira, tanto em clipes quando em capas de disco da histórica gravadora Factory. Também participaram das gravações uma orquestra de 18 sintetizadores que, pra ser sincero, não fizeram tanta diferença no resultado sonoro final e, pensando bem, isso é uma vantagem.

 

Este “Σ(No,12k,LgMif) New Order + Liam Gillick: So It Goes” é um marco na carreira da banda e mostra que ela transita no tempo com a mesma desenvoltura que se reinventa com elegância e discrição, sempre. Uma belezura.

Ouça primeiro: “All Day Long”

 

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Um comentário em “New Order – Σ(No,12k,LgMif) New Order + Liam Gillick: So It Goes

  • 16 de julho de 2019 em 10:41
    Permalink

    Beleza de texto e de álbum. É emocionante finalmente ouvir registros ao vivo de Vanishing Point e All Day Long. E os 5 segundos que se iniciam a partir de 1 minuto e 16 segundos de Sub Culture já tornam o lançamento essencial para fãs de música pop.

    0
    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *