Information Society – Disco Certo na Hora Certa

 

O ano de 1988 foi um tempo estranho, pelo menos para mim. Saído do colégio, errando em faculdades que não cursaria até o fim, procurando emprego e trabalhando como estagiário numa agência da Caixa Econômica Federal perto de casa, naquela Copacabana-paraíso daquele tempo. Sim, já vai longe na lembrança e, como vivo tudo tendo a música por bússola, lembro que o primeiro disco do – então – quarteto americano Information Society simboliza bem essa época, que, felizmente, durou pouco. O sucesso do álbum homônimo dos caras, pelo contrário, foi duradouro e até hoje frequenta uma ou outra programação de rádio FM. Ou playlists no Spotify, vá saber.

Quem tinha entre 15 e 18 anos na época lembra bem do que era ouvir um dos três hits do disco no rádio: a balançada “What’s On Yor Mind (Pure Energy)” – que trazia um sample com fala do Sr. Spock -, “Running” – que também foi sucesso nos bailes da periferia carioca/fluminense do fim da década de 1980 e a baladaça “Repetition”, que sonorizava romances adolescentes aqui e acolá. Estas três canções – 30% do disco – configuram um daqueles casos de banda que faz sucesso por aqui em proporções muito maiores do que lá fora. No caso do InSoc, natural de Minneapolis, mesma terra de Prince, a tarefa ainda era muito mais difícil. O motivo: a banda, ainda com a presença de Amanda Kramer, que depois sairia para tocar com os 10000 Maniacs, fazia uma música eletrônica totalmente fora de contexto, em termos americanos. Era inspirada nos grupos de tecnopop britânicos do início da década, tipo ABC ou Human League, mas também sofria influência do nascente hip-hop, tanto que era contratado inicialmente da Tommy Boy Records, especializada no estilo.

Sendo assim, o Information Society invadiu as emissoras de FM nacionais e monopolizou as atenções daquele tempo. Ao mesmo tempo vieram artistas mais voltados para a cena do funk carioca da época, como Tony Garcia e o portorriquenho Noel, que emplacou “Silent Morning” de forma onipresente, além da dupla The Voice In Fashion, reponsável por “Gimme Your Love”, Linear, com “Sending All My Love” e, claro, Milli Vanilli, com sua trinca “Girl Youn Know It’s True”, “Blame It On The Rain” e “Baby Don’t Forget My Number”. Na esteira disso, um, dois anos depois, viriam Stevie B e Jon Secada. Era um pop safado, produzido em centros de pouco prestígio musical nos USA, como Miami, por exemplo, que emplacou aqui lindamente, respingando das paradas de sucesso para os bailes. Era uma festança.

Não é exagero dizer que este primeiro disco do Information Society abriu espaço para esta galera e que também era o produto mais bem acabado dessa leva. A mistureba conceitual de música eletrônica britânica com pitadas de hip-hop “humanizou” um pouco a sonoridade da banda, criando uma marca registrada, além de, claro, o trio de canções acima seja, de fato, de alto nível.

Em 1990 o InSoc voltaria com o segundo álbum, “Hack”, que chegou a emplacar “Think” nas paradas nacionais, mas aí o tempo já havia se movido de forma inapelável, datando irremedialmente o som do grupo. Os Pet Shop Boys vinham com o sensacional disco “Behaviour”, o Depeche Mode com “Violator” e o New Order ainda colhia os frutos de “Technique”, lançado no ano anterior. Não sobrou qualquer espaço para “Hack”, mas o InSoc pode se orgulhar de ter feito um show na Amazônia, algo que Pet Shop Boys, Depeche e New Order jamais fizeram. Ponto pra Minneapolis.

 

Uma dica: se você ouvir “Think” no Spotify, verá um spot de rádio nacional emendado na canção, que anuncia um show do Information Society com o … Capital Inicial. Sensacional é pouco. Pelo Information, claro.

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *