Little Richard: 1932 – 2020

 

 

Sim, é mais um obituário. Richard Wayne Penniman, mais conhecido como Little Richard, faleceu hoje, aos 87 anos. Ele foi um dos pioneiros do rock, considerado pela revista Rolling Stone como um dos artistas mais influentes de todos os tempos. Quem confirmou a morte foi seu filho, Danny Penniman. A causa ainda não foi divulgada. Little Richard já estava com a saúde debilitada. Recentemente sofreu um derrame e convivia com problemas nos quadris.

 

Ele é, ao lado de Chuck Berry, Buddy Holly e outros poucos nomes, um dos desbravadores do rock. Surgiu em meados dos anos 1950, criando espaços onde não havia nada. Sua atuação ao piano era incendiária, justo porque era acintoso para o conservadorismo da época ver um negro gay manuseando um instrumento considerado “de elite”. Sua voz e jeito de cantar influenciaram de Paul McCartney e Elton John a Freddie Mercury e Prince.

 

Começando com “Tutti Frutti” em 1956, Little Richard compôs e lançou uma série de hits incontroláveis ​​- “Long Tall Sally” e “Rip It Up” naquele mesmo ano, “Lucille” em 1957 e “Good Golly Miss Molly” em 1958 – impulsionado por seu piano simples e vibrante, exclamações vocais influenciadas pelo evangelho e letras sexualmente carregadas (muitas vezes sem sentido).

 

“Ouvi Little Richard e Jerry Lee Lewis, e foi isso”, disse Elton John à Rolling Stone em 1973. “Eu nunca quis ser outra coisa. Eu sou mais estilista do Little Richard do que Jerry Lee Lewis, eu acho. Jerry Lee é um pianista muito intrincado e muito habilidoso, mas Little Richard é mais um baterista. ”

 

Suas canções fazem parte do canon do rock’n’roll. Ele era um gigante. Uma lenda que se vai.

 

 

Minha preferida do mestre.

 

1+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *