Liniker e Os Caramelows – Goela Abaixo

Gênero: MPB, Pop Alternativo
Duração: 43 min
Faixas: 13
Produção: Rafael Barone
Gravadora: Natura Musical

3 out of 5 stars (3 / 5)

“Goela Abaixo” é o segundo disco lançado pela cantora paulista Liniker e seu grupo, Os Caramelows. É bacana ver o quanto é possível realizar um álbum tão interessante completamente livre dos esquemas que costumavam dar as cartas – e ainda dão, em muitos casos – na grande indústria do disco. Cordas, metais, arranjos de qualidade, está tudo aqui, sem que seja necessário abrir concessões e se deixar levar por descaracterizações oportunistas. Este álbum é intenso, moderno e, para o bem e para o mal, exagerado em muitos momentos.

Liniker declarou que está “totalmente apaixonada”. Esta noção é evidente e norteia as onze faixas de “Goela Abaixo”. O amor romântico e o amor cotidiano, físico e aberto permeiam as letras e a pegada das canções, que se inserem num terreno entre o soul brasileiro setentista e a MPB arejada daqueles tempos, com algumas pitadas de modernidade em algumas passagens aqui e ali. Várias partes do disco foram gravadas em Portugal e na Alemanha, na esteira dos shows internacionais que o grupo fez, dando a impressão de existir um certo ‘sentimento de estrada” em “Goela Abaixo”, o que traz uma nova camada de informação.

A produção do baixista Rafael Barone proporciona essa sensação de frescor que emana das sonoridades da banda ao longo das faixas. Em muitos momentos, isto chega a compensar um pouco de exagero na parte vocal, uma vez que Liniker, boa cantora que é, ainda parece procurar o seu melhor registro em muitas faixas. O melhor exemplo disso está em “De Ontem”, beleza de canção com instrumental totalmente derivado da soul music universal setentista, em que a banda fornece o contraponto ideal para os vocais expansivos demais, que quase colocam tudo a perder. Em seguida está o exemplo de como Liniker pode soar ótima se levar em conta a necessidade da simbiose entre vocal e instrumentos.

Mas nem só de soul estilizado “Goela Abaixo” se alimenta. Há elementos de afrobeat em “Lava” e algo de pop sessentista em “Beau” e um delicioso pop mpbístico em “Bem Bom”, que conta com a participação solar da cantora e produtora carioca Mahmundi. “Calmô” também é uma belezura de paz e amor matutinos, outra espécie de contraponto lírico e contemplativo para o tom quente e audacioso da maioria das letras do álbum. Liniker dá especial atenção para este lado, assumindo a si mesma como um elemento decisivo na construção da identidade da banda e do som que produz. Em pouco tempo, certamente, este equilíbrio estará no ponto.

“Goela Abaixo” é um disco importante e que merece sua atenção. É um trabalho de uma cantora em formação, aprendendo, ousando e encontrando seu espaço, auxiliada por um grupo de músicos talentosos e na mesma sintonia.

Ouça primeiro: “Bem Bom”

2+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *