Acabou La Tequila lança discografia no formato digital

 

 

 

Uma das bandas mais inventivas dos anos 90, o Acabou La Tequila foi uma importante referência para os artistas que vieram depois e seus integrantes, bem jovens na época, continuam contribuindo com a cena musical até hoje. Os dois álbuns de sua curta discografia “Acabou La Tequila” (Excelente Discos/Polygram/ 1996) e “O Som da Moda” (Ping Pong/ 2004) finalmente chegarão ao formato digital no dia 10 de abril.

 

Com Nervoso (bateria e voz), Alexandre Kassin (guitarra), Venatinho Renenoso (guitarra e voz), Léo “Massacre Completo” (bateria e percussão) e Donida (baixo), o auto intitulado álbum de estreia trazia referências de ska, hardcore, reggae, funk e uma mistura de ritmos latinos. Produzido por Tom Capone e Kassin, com direção artística de Carlos Eduardo Miranda, o disco também teve duas faixas produzidas pelo Chico Neves e o tom do trabalho era de total liberdade.

 

“Nossa identidade era não ter identidade, vários músicos com muitas influências, cantando em línguas e ritmos diversos” – comenta Nervoso. “Acabou La Tequila” chega através da Deck aos aplicativos de música.

 

Na mesma data, o selo do Nervoso, Super Discos, também colocará nas redes o segundo álbum, “O Som da Moda”, que trazia a banda numa fase bem mais madura. Com produção de Kassin e Berna Ceppas, o trabalho contou com participações de Vitor Santos, João Donato, Rodolfo (na época nos Raimundos), Domênico Lancellotti, Bacalhau (na época no Planet Hemp), Rick Ferreira (requisitado guitarrista que tocou com artistas como Erasmo Carlos e Raul Seixas) e outros.

 

 

Foto: La Cumbuca

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *