Tracy Chapman contra Bush Pai

 

Em 1988, a cantora americana Tracy Chapman apareceu do nada e tornou-se sucesso mundial. Aos 24 anos, a nativa de Cleveland, lançou seu primeiro álbum e emplacou, pelo menos, três hits: “Baby Can I Hold You”, “Fast Car” e a pungente “Talkin’ Bout Revolution”. Esta última, um libelo sobre transformação e mudança, escrita numa época em que os Estados Unidos elegiam George Bush para a presidência, após dois mandatos de Ronald Reagan, ou seja, atirando o país ainda mais efetivamente na política de posicionamento neoliberal, que culminaria com a primeira Guerra do Golfo.

 

Tracy critica a política de seguridade social dos governos Reagan, enfatizando sua ineficiência. A letra diz que as pessoas dependem da previdência, não conseguem emprego nas filas do governo, mas aponta que as pessoas pobres irão se insurgir, pegar sua parte e, mais ainda, pegar o que é delas. No fim da letra, ela sentencia: finalmente estamos virando a mesa, falando de revolução.

 

O conceito de revolução da letra é abrangente, passando apenas pela redistribuição da riqueza, sem ênfase política partidária de qualquer natureza, soando mais como algo necessário, inadiável, que só será atingido pela insurreição. Convenhamos, é um assombro para as paradas americanas daquele fim de década. Não por acaso, a canção foi utilizada por apoiadores anônimos do senador Bernie Sanders na campanha pela candidatura democrata à presidência americana em 2016. Vários vídeos foram postados no Youtube de maneira independente, enfatizando a plataforma de Sanders, um entusiasmado adepto do estado de bem estar social.

 

Trinta e dois anos depois, o tema permanece atual e a riqueza do mundo está distribuída de forma ainda mais desigual e injusta.

 

+1

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *