O belo disco de remixes de k.d.lang

 

 

k.d.lang – makeover

Gênero: Eletrônico

Duração: 72 min.
Faixas: 14
Produção: Vários
Gravadora: Nonesuch

4.5 out of 5 stars (4,5 / 5)

 

 

 

 

Eu gosto de coletâneas e acho que o formato está longe do esgotamento. Basta ser inteligente e entender seu significado. Veja, por exemplo, o caso de k.d.lang e este seu ótimo “makeover”: um belo apanhado de vários remixes feitos para canções gravadas entre 1992 e 2000. Se isso causa estranhamento em quem se acostumou a ver a canadense dialogando com texturas mais clássicas e polidas do cancioneiro pop atemporal, a prática das versões eletrônicas em sua obra é contemporânea aos próprios lançamentos, ou seja, todos estes remixes e versões contidas aqui são do mesmo período. Sendo assim, eles conservam uma elegância, um refinamento e uma beleza que, assim como a própria obra de k.d., se mantém intactos ao longo do tempo. Aliás, já que estamos na década de 1990, muitos momentos aqui soam bem mais naturais do que este estranhamento inicial com k.d numa pista de dança pode trazer. Vejamos.

 

Os discos cobertos por este período são a trilha sonora de “Even Cowgirls Get the Blues(1993)”, “Ingénue (1992)”, “All You Can Eat (1995)”, “Drag (1997)” e “Invincible Summer (2000)”, obras complexas e fascinantes, ainda que bem distintas entre si. Todas, no entanto, têm em comum um fato marcante: quando k.d. lang começou a fazer sucesso, na virada dos anos 1980/90, ela já era gay assumida e isso sempre marcou sua carreira. Talvez por ter essa questão resolvida e assumida em tempos em que isso não era tão comum, k.d. nunca se atrelou a um estilo específico. Nunca foi country, nunca foi folk, nunca foi blues ou performática. Ela conseguiu se manter à margem, mas sem estar isolada. Sua presença conferia aquela sensação de “esta é a versão de k.d. lang” para o blues ou para o folk, fato que, aliado à sua impressionante voz, sempre conservou o luxo e a precisão de suas realizações.

 

Sem falar que a cultura LGBTQA da época era restrita ao tal “underground” que era alimentado por dance music, cultura clubber e demais manifestações que inseriam o remix e as versões dançantes como elementos fundamentais. O fato de k.d. já usar este recurso naquele tempo, lhe conferiu total inserção nesses meios, fato que lhe assegurou a criação de uma sólida base de fãs neste nicho, algo justo e louvável. Claro, a maioria já a admirava pela beleza das gravações originais, porém, as versões dançantes e eletrônicas eram tão boas, que justificavam uma coletânea como “makeover”. Se discos belos como “Ingénue” ou “Invincible Summer” já eram astros com luz própria em seu tempo, as versões remixadas de algumas de suas canções provocam várias (re) descobertas.

 

“Miss Chatelaine (St. Tropez Mix, 1992)”, por exemplo, traz uma das gravações mais belas da carreira de land para um ambiente que insere um sample muito sutil da versão de Grace Jones para “La Vie En Rose” em seu bojo, dando origem a uma elegantíssima nova visão. “Lifted by Love (Elevate Your Love Mix, 1993)”, da trilha de “Even The Cowgirls…” entrou para as paradas dance da época, nada mais justo. E adoráveis também são as releituras para “Summerfling”, uma intitulada “Wamdue’s Makin’ Me High Dub, 2000” e a outra, “Ananda’s Sweet Bird of Summer Extended Mix”. Elas mais “The Consequences of Falling (Love to Infinity Funk Mix”, formam a trinca de ouro do “disco de verão” que lang soltou em 2000, o adorável “Summerfling”, meu preferido em sua discografia.

 

“makeover” é mais que uma ótima coletânea, é uma rara chance de observar detalhes da carreira de uma cantora extremamente talentosa, que aparece apenas quando tem algo a dizer. Não percam.

 

 

Ouça primeiro: “Miss Chatelaine (St. Tropez Mix, 1992)”, “Summerfling (Ananda’s Sweet Bird of Summer Extended Mix, 2000)”, “The Consequences of Falling (Love to Infinity Funk Mix”.

 

 

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *