Mike Love – 12 Sides Of Summer

Gênero: Pop, rock
Faixas: 12
Duração: 35 min.
Produção: Mike Love
Gravadora: BMG

2 out of 5 stars (2 / 5)

 

Mike Love, 78 anos, vive uma fase prolífica. Este é o terceiro disco que ele lança em 3 anos, contraste gritante com uma carreira solo praticamente inexistente até então. O velho co-fundador dos Beach Boys, detentor dos direitos sobre o nome da banda desde 1998 e antagonista de Brian Wilson, sempre foi um sujeito que preza a facilidade, a dança, o rock e a praia enquanto estado de espírito, ao contrário dos momentos mais experimentais e sensíveis. Sendo assim, sua presença na banda funcionava como uma espécie de contraponto pé-no-chão para os irmãos Wilson, verdadeiros responsáveis pelo brilhantismo dos Beach Boys. Sendo assim, Mike Love está, em pleno 2019, vendendo o sonho californiano da praia e do mar como meios de escape para as amarras do cotidiano. Este “12 Sides Of Summer” é algo mais ou menos assim.

 

Digo “mais ou menos” porque o disco é muito mal produzido. A impressão que temos é que alguém pegou um aplicativo na Google Play, baixou pro celular e processou todos os timbres e nuances ali, em duas horas, no máximo. Os registros são ocos, mal gravados e sem qualquer vontade de inovar. Ou melhor, com alguma vontade que acaba soando como prova incontestável de ranço. Exemplo: pegar “Here Comes The Sun”, um clássico dos Beatles, e gravá-la num arranjo bossa nova. Outra: pegar “Summertime Blues”, velho cavalo de batalha de Eddie Cochran, e fazer uma versão que poderia ser feita por qualquer banda de churrascaria. Aliás, a impressão que temos o tempo todo é que Mike Love está levando seu show para qualquer espaço, de bingos e associações de moradores aos salões do clube do seu bairro. Ao contrário de soar generoso e acessível, tristemente o resultado é próximo do pastiche.

 

Não dá, no entanto, pra pegar o disco e fazer de porta-copos, assim, de cara. Tem uma bem intencionada cover de “Rockaway Beach”, que revela o amor destes pelo significado que uma banda como Beach Boys tinha no passado. Tem uma rara canção inédita de Love, “California Beach”, que lembra os velhos clássicos dos meninos da praia. Alguns destes, aliás, surgem reprocessados, sempre em registros muito piores que os originais: “Surfin'”, “Keeping Summer Alive” e “Surfin Safari”, por exemplo. Também há um dueto qualquer nota com os irmãos Hanson, isso, eles mesmos.

 

O ápice da canastrice chega com uma versão constrangedora de … “Girl From Ipanema’, com Mike recitando a letra de Vinicius de Moraes em português embolado, em meio a um arranjo churrasqueiro de associação de veterenos da Guerra da Coreia.

 

Este disco é indicado apenas para fãs enlouquecidos, completistas alienados e criaturas inacreditáveis.

 

Ouça primeiro: os originais dos Beach Boys.

 

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *