Uma obra prima chamada Gris

 

Saudações! Hoje, conforme adiantei em minha coluna anterior, vou fugir duplamente do assunto dominante até então: Primeiro, vou falar de um videogame (outro assunto que adoro) e segundo, não vou focar no fator trash, até porque nem só de podreira vive o ser humano. O objetivo dessa vez será analisar um belíssimo game que passou em brancas nuvens e que, na minha modesta e humilde opinião, elevou os jogos eletrônicos a um novo patamar. Estou falando de “Gris”, produzido pela empresa indie espanhola Nomada Studio e que saiu para PC e também para Nintendo Switch, uma verdadeira obra de arte em todos os sentidos. A trama gira em torno de Gris (“Cinza” em francês), uma cantora que subitamente perde sua voz e, por isso, cai em depressão. A partir de então, ela precisa tomar uma decisão: Ou levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima ou se entrega à tristeza e afunda de vez.

 

O início da jornada retrata com exatidão como está confuso o estado mental da protagonista. Tudo parece vazio, solitário, frio e sem cor. Contudo, a medida que a personagem avança e ela começa a relembrar momentos felizes, sua autoestima vai sendo reconstruída e os cenários vão ficando mais vivos. Falando nos cenários, é importante ressaltar que foram todos elaborados por Conrad Roset, artista plástico conhecido na Espanha por suas ilustrações em aquarela.

 

O resultado é embasbacante, como se estivéssemos diante de uma obra de arte interativa. Ah, e eu estaria cometendo uma tremenda injustiça se não comentasse sobre a lindíssima trilha sonora composta pela banda catalã Berlinist, que harmoniza à perfeição com os belos e surreais cenários por onde se desenrola a jornada da nossa heroína. Na minha modesta opinião, “Gris” poderia ser perfeito se não fosse por dois pequeninos defeitos: Primeiro, ele é bastante linear e não tem muito a ser explorado e segundo, ele é demasiadamente fácil (é impossível a personagem morrer, só para citar um exemplo). A jogabilidade é bem limitada e os vários quebra-cabeças que aparecem ao longo do jogo são tranquilos de resolver; em apenas umas duas horas é possível chegar ao final. Percebe-se que a Nomada Studios enfatizou os gráficos e a música com o objetivo de ajudar na imersão e tornar a experiência única (como de fato é), porém para os gamers hardcore talvez seja um pouco maçante.

 

Ainda assim, são detalhes mínimos frente a maravilha audiovisual que “Gris” é. Pouquíssimos games me causaram o impacto que “Gris” causou e isso já seria motivo suficiente para recomendá-lo a todos que não têm medo de fugir do óbvio. Essa é uma história emocionante sobre dor, amadurecimento e sofrimento e, o mais surpreendente, que consegue transmitir tudo isso sem falar uma palavra sequer (a protagonista havia perdido a voz, lembram?). Corram atrás o quanto antes e desde já fica meu desafio: Se você conseguir terminá-lo sem deixar cair uma lágrima sequer, lamento informar que você tem uma pedra no lugar de um coração!

 

Mergulhe de cabeça e deixe-se levar por essa viagem sem similar no mercado!

 

+7

Luciano Milhouse

Luciano Milhouse é flamenguista, pensa que sabe escrever, tem 6 cachorros e aceita doações de CDs, DVDs, videogames e carrinhos (para desespero de sua esposa)!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *