Marcus Zalves apresenta “32 de Janeiro”

 

 

“Labuta” tem como base o hip hop mas tem elementos eletrônicos em sua narrativa, se apropriando tanto de Daft Punk quanto de Racionais MCs, além de outras referências do soul e funk music.

 

Assista ao clipe:

 

O EP “Labuta” foi lançado no início de maio e tem como principal temática a luta contra o racismo. O trabalho conta com quatro faixas e foi produzido por Kodux. Com estética afro-punk e contexto afrofuturista, Labuta é o trabalho mais consistente e maduro de Marcus Zalves. As letras, todas de sua autoria, mostram-se ainda mais críticas em relação aos dois registros anteriores, Cores e Corres (2019) e Queda Pra Cima (2020).

 

“Esse trabalho foi criado durante o começo da pandemia. Ele é um recorte social de como nós estamos colocados à margem da sociedade brasileira. Tem como pautas principais a estrutura precária da família brasileira, a corrupção, a censura, o racismo estrutural e o genocídio contra a população preta”, relata Marcus.

 

A influência de Kodux tornou a sonoridade mais preenchida e moderna. O artista é conhecido por compor músicas para jogos de videogame e trilhas de filmes variados. Além de “32 de Janeiro”, Labuta conta com as faixas “Órbita”, “Geografia” e “Marquise”, essa última com participação de Augusto Martins.

 

Ouça o EP Labuta no link abaixo.

 

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *