Bazar Pamplona – Banda Vende Tudo

Gênero: Rock Alternativo
Duração: 45 min.
Faixas: 11
Produção: João Victor dos Santos e Bazar Pamplona
Gravadora: Independente

4 out of 5 stars (4 / 5)

Mudança de pele, de ciclo, de casa, de cidade. Esta é a ideia que o título deste terceiro álbum dos paulistanos do Bazar Pamplona sugere. Há seis anos sem gravar nada, a banda quase chegou ao fim em 2017, mas teve seu ânimo renovado quando uma canção do grupo na trilha sonora de um filme alemão, intitulado “Axolotl Overkill”, que chegou a ser premiado no Festival de Sundance. Isso fez com que os integrantes vissem que, sim, ainda havia lenha pra queimar. Sendo assim, “Banda Vende Tudo” remete àquelas liquidações de jardim, na qual a família precisa fazer algum tipo de renda para seguir adiante noutro lugar e vende tudo que está em casa. Com esse espírito é que o álbum deve ser adentrado.

E, logo de cara, um soco no estômago com a canção “Fora de Lugar”, que já está entre as melhores de 2019, mesmo que nem estejamos na metade do ano. Lírica, intensa, com uma influênciazinha do Radiohead inicial enguitarrado e com letra falando de reencontro de gente que, na verdade nunca se foi, a canção é um convite à emoção. É até surpreendente porque o Bazar tem um pedigree de composições bem humoradas e leves, o que faz de “Fora de Lugar” algo ainda mais legal e apropriado ao momento atual dos caras. Essa mesma temática – de reencontros em várias dimensões – segue disco adentro, de forma mais feliz e adorável, caso de “Nós Dois”, cantada com Hilda Maria.

A temática do álbum, no entanto, vai mais além. Tem canção sobre o fim do mundo puro e simples, personificado em figuras do cotidiano “Fim da Linha”, que tem um bom trabalho de guitarras, algo que também caracteriza “Cálculo das Diferenças”, sacudida e intensa. Também há espaço para a política atual do país, personificada em “Dias Gordos”, primeiro single do álbum, cujos versos “Antes de o prédio inteiro ruir
/dias gordos vêm aí” e “Permita, Deus, que eu não morra/antes de irmos à desforra” indica a visão justa do Carnaval como algo que vai além da festa popular atualmente, que adentra a luta política, que serve como plano metafórico realizado de conquistas. E tudo isso com um instrumental esparso de guitarras e efeitos, que, emulam um pouco do Wilco de “Yankee Hotel Foxtrot”.

O humor de outros tempos comparece com a boa “Bom Mesmo É Ouvir Um Riff Dos Stones”, que fala de um amor carnavalesco em que diferenças musicais são decisivas, e a não tão boa “If You Can Sing This Thank And English Teacher”, mas o tom do álbum é de saudade e recomeço, confirmado pela faixa-título e pela sintomática “Saudade”.

“Banda Vende Tudo” é um bom disco, que tem seu poder de fogo amplificado pela excelência de uma canção – “Fora de Lugar”. Se o Bazar Pamplona precisava de um alento para seguir em frente, que seja este disco e sua enorme, grande canção de abertura. Bem vindos de volta.

Ouça primeiro: “Fora de Lugar”

1+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *