Nando Reis – Não Sou Nenhum Roberto Mas Às Vezes Chego Perto

Gênero: Pop, Rock
Duração: 55 min
Faixas: 12
Produção: Pupilo
Gravadora: Independente

2 out of 5 stars (2 / 5)

Nando Reis declarou ao Uol que a inspiração para gravar este “Não Sou Nenhum Roberto…” surgiu numa viagem de carro, na qual levou a caixa de discos que o Rei gravou nos anos 1970. Falou sobre a importância da obra de Roberto em sua vida e teceu comentários sobre como ele é bom compositor e suas gravações setentistas são bem realizadas. Reflexão típica de roqueiro, mas perdoa-se. Boas intenções, portanto. O resultado das versões que ele oferece ao público neste que é o 13º disco de sua carreira, é inconstante e coloca dúvidas sobre a necessidade real de um lançamento como este, nesta altura do campeonato. Roberto Carlos, sabemos bem, é um cantor excelente e foi regravado por gente como Maria Bethânia, Gal Costa, Elis Regina, só para mencionar intérpretes de primeira grandeza. Desta forma, é preciso um motivo fortíssimo para se aventurar por este caminho.

O tributo de Nando, infelizmente, fica muito distante deste primeiro time. Seu lugar é ao lado de discos como o que Lulu Santos gravou em 2013, com uma vantagem: o repertório pouco óbvio e sem muito medo de críticas. E outro detalhe: Nando escolheu várias canções que não são da autoria do Rei, mas que surgiram nestas obras setentistas tão importantes para o inconsciente coletivo de gente na faixa dos 30-50 anos. Desta forma, o resultado é variado e desperta – outro ponto positivo – a vontade imediata de ouvir as gravações originais e, a partir disso, conhecer mais as obras de RC. Faz parte de um senso comum reducionista encontrar valor apenas no que Roberto gravou entre 1968 e 1974, mas trabalhos como o de Nando contribuem para que olhemos para sua produção até a virada dos anos 1970/80. Falta alguém com mais coragem para adentrar os anos 1980, mas isso é outra história.

Este é o máximo de boa vontade que podemos ter com este álbum, pessoal. Apesar da maioria dos arranjos serem bem feitos e a produção de Pupilo ser respeitosa para com os originais baladeiros do Rei, a voz de Nando é para ser ouvida em doses muito pequenas, sob pena de causar irritação. O sujeito não é bom intérprete, sabemos bem. Aqui, num álbum desta natureza, é esta qualidade que está em jogo, mais do que qualquer outro aspecto. Procurando por acertos ao longo das doze faixas, dá pra livrar a cara de “Alô”, canção noventista do Rei, cujo resgate, por si só, já é legal e “De Tanto Amor”, que tem uma melodia tão absolutamente linda, que fica difícil ser estragada. O arranjo respeitoso ajuda a aliviar a gravação de alguma crítica mais exacerbada, mas ela está a anos-luz do original de 1971, quando foi composta por um Roberto Carlos de 31 anos, altamente reflexivo e consciente de seu momento como homem e artista.

O resto, gente, é absolutamente desnecessário, com momentos de genuína irritação. A versão de “Nossa Senhora”, canção emblemática do Roberto religioso, surge sem letra, apenas com um “na-na-na” balbuciado em vez das palavras. Nando justificou-se como um não-devoto da santa, portanto, incapaz de sentir a letra. Curiosamente, apropriou-se também de “Todos Estão Surdos”, outra canção religiosa, um pouco mais sutil, cujo arranjo é um exemplo do que não se fazer. Além delas, “Amada Amante”, um clássico do romantismo enquanto verdade cotidiana, surge banalizada, com zero de emoção/culpa, numa interpretação acrílica, sem alma, na qual a limitação vocal de Nando é arremessada no rosto dos ouvintes. Triste. Como fecho uma versão apocalíptica de “A Guerra dos Meninos”, com instrumental caricato e vocais de Jorge Mautner, numa versão que mais parece sátira do que reverência.

Nando Reis tem três personas musicais: a de compositor, razoavelmente interessante. A de ex-baixista dos Titãs, útil, sobretudo quando surgia ocasionalmente para cantar alguma canção que fizera, temperando a música oblíqua do grupo. E esta, de intérprete, que surge em discos como “O Bailão do Ruivão” e este tributo, esquecível e ruim.

Ouça primeiro: “Alô”

 

Foto: Reprodução

+2

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *