James Dean Bradfield – Even In Exile

 

Gênero – Rock alternativo

Duração: 48 min
Faixas: 11
Produção: James Dean Bradfield
Gravadora: Delware

4.5 out of 5 stars (4,5 / 5)

 

Quem conhece o Manic Street Preachers, banda da qual James Dean Bradfield é vocalista e guitarrista, não deve ficar surpreso com este lançamento. “Even In Exile” é um belo, resignado e pungente tributo à obra do compositor e trovador chileno Victor Jara, preso, torturado e morto no Chile em 1973, sob o governo do ditador augusto pinochet. Com a obra pouco conhecido fora do país natal, Jara foi uma das grandes vozes contra a opressão que se instalou no país a partir da queda do governo de Salvador Allende, assassinado após cerco e bombardeio do Palácio La Moneda, sede do governo chileno. Seria muito simples para James fazer um disco de covers, então o caminho que ele toma aqui é surpreendente e dá vida própria ao álbum, que se torna uma homenagem justa, inesperada e bela ao poeta morto.

 

Familiarizado com a poesia de Jara através de conversas com amigos e estudiosos da obra do chileno, James foi erguendo um painel de canções em que há referências à vida do poeta, desde a infância, passando pela juventude e chegando à idade adulta (Jara tinha 41 anos quando teve as mãos amputadas e foi assassinado na prisão). O disco soa como um pequeno curso de introdução ao espectro político das canções de Jara e não há um único recurso de gosto duvidoso em todas as doze faixas. É tudo muito respeitoso a ponto da única cover presente – “La Partida” – ser executada em versão instrumental. Se todo mundo fizesse versões com este respeito…mas aí já é assunto para outro texto.

 

“Even In Exile” apresenta um approach de rock alternativo noventista, o que é bom e desejável dentro do que podemos esperar de James ou do próprio Manics. O som é muscular mas tem sutilezas admiráveis, muito piano, teclados, jamais abrindo mão do punch em favor de uma eventual tristeza ou resignação. É disco pra quebrar a vidraça do banco, creia. E tudo é muito bonito e bem feito, produzido pelo próprio Bradfield. De cara o ouvinte já dá com “Recuerda”, que sai de um início climático e acústico e mergulha num rodopio de teclados, cordas e pianos, que já colocam o ouvinte na ponta da cadeira, querendo por mais, por orientação, por direção, por tudo mais que se espera de algo que nunca veio, mas sempre foi desejado. Assim também é com a linda, maravilhosa “Seeking The Room With The Three Windows”, que começa meio progressiva e desemboca num rockão de fazer inveja. Ah, toda instrumental.

 

“The Boy From Plantation” traz a vida de Jara em suas origens, em meio a guitarradas cortantes, bem no estilo Manic Street Preachers. “Thirty Thousand Milk Bottles” amplia o uso do piano na melodia e adota bateria marcial – “30000 bottles in the generation’s hands”. “Under The Mimosa Tree” é outra canção instrumental, que mistura violões acústicos com teclados e cordas, num efeito dramático belo e idílico ao mesmo tempo. “From The Hands Of Violeta” fala da proximidade de Jara com a cantora Violeta Parra, uma de suas maiores intérpretes. Tudo isso com uma melodia assombrosa de tão bela. O rock à la Manics ressurge com “Without Knowing The End”, enquanto a dobradinha “The Last Song”/”Santiago Sunrise” joga luzes sombrias ao fim do álbum, como, infelizmente, nos revela a história.

 

“Even In Exile” é desses discos que só surgem por conta da liberdade de expressão e do uso da memória e da História. É fruto de uma luta constante e dá resultados que refutam a violência e a injustiça. A cada realização como esta, pessoas como Jara sorriem de onde estão. E sentem sua missão cumprida. Bravo.

 

Ouça primeiro: “Thirty Thousand Milk Bottles”

 

 

 

+2

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

One thought on “James Dean Bradfield – Even In Exile

  • 3 de setembro de 2020 em 21:41
    Permalink

    Parabéns! Ótima crítica! – Dá um belo panorama sobre o disco e tudo o que o cerca. – Só hoje tirei um tempo para ouvir. E já ouvi 3 vezes (praticamente seguidas). É quase Manics. É muito bom. É um baita disco. Depois de ler mais a respeito e entender todo o contexto, o disco fica ainda mais bonito. Grande trabalho do Sr. James Dean Bradfield.

    +1
    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *