Entrevistão: Tico Santa Cruz

 

 

Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas Roque Clube, tornou-se uma voz a ser levada em conta nas redes sociais e isso não é de agora. Desde o acirramento da questão política que levou ao golpe contra Dilma Rousseff, o governo ilegítimo de michel temer e a aberrante ascensão do burrismo em 2018, a presença de Tico é sempre identificada com a defesa de pautas dos direitos humanos. Contra o preconceito, contra a discriminação, contra opressão e sempre munido de um discurso ponderado, ele tem seguidores e detratores.

 

O Detonautas lançou duas canções recentemente: “Carta Ao Futuro” e “Micheque”, ambas contendo críticas ao atual governo. A primeira é ampla, mostrando como a sociedade brasileira chafurda no obscurantismo, enquanto a segunda é uma bem aplicada cacetada no episódio dos 89 mil reais depositados na conta da primeira dama. (aliás, aproveitamos para perguntar, o que os 89 mil do queiróz estavam fazendo lá?).

 

Por conta desse posicionamento de Tico e de eventuais questões musicais, além de um interesse renovado pela carreira do Detonautas, batemos um papo com ele sobre estas e outras questões. Solícito, tranquilo e gente boa, ele deu ótimas respostas. Leiam!

 

 

 

– Qual a diferença entre o Detonautas RC que ficou conhecido por “Quando O Sol Se For” para o Detonautas RC de hoje, 2020, que lança a sensacional “Micheque”?

Detonautas é uma banda que se formou em 1997. Em 2001 a gente lançou o disco que tem a música “Quando o Sol se For” que em 2002 ou 2003 foi fazer sucesso, nós éramos bastante jovens, inclusive. De 2003 pra cá, são 17 anos, que muda muito as pessoas em todos os aspectos. Acho que desde o começo, a semente da crítica social e política sempre esteve presente no Detonautas. Talvez a sociedade que não estivesse tão atenta a isso nesses anos todos que a gente vem trabalhando. Mas no primeiro disco tem “Ladrão de Gravata”, no segundo disco tem “Mercador das Almas”, tem um cunho mais social, tem a questão do “dia que não terminou” que fala sobre beber e dirigir, com aquele clipe clássico dos acidentes de trânsito, provocados por pessoas alcoolizadas, que gerou comoção enorme e acabou desencadeando, inclusive, o movimento pela Lei Seca. Que a gente considera muito importante, porque diminui muito o número de vítimas, então a gente entendeu.

 

E desde o começo, que a nossa voz, a nossa música não poderia ficar restrita apenas ao entretenimento, que existia uma função social importante, que a gente poderia, de alguma maneira, levar nas nossas músicas, os nossos discos, através das letras e da nossa postura de palco, etc. mas é claro que, na medida em que a gente foi amadurecendo, traduzindo melhor esse conteúdo, a gente conseguiu chegar aqui, nesse 2020, com uma carga de conhecimento muito maior. Então ela desembocou no meio dessa pandemia, que a gente ta vivendo em duas músicas até o momento, mas a gente já tem mais duas e produção. Com “Carta ao Futuro” e “Micheque” que é uma crítica, uma sátira divertida e bem humorada de uma questão séria que a gente tá vivenciando no pais agora, mas que precisa ser esclarecida. Acho que através da arte a gente pode conduzir também a narrativa política, pautar e colaborar da nossa maneira. Então basicamente o que mudou foi a nossa maturidade de conseguir traduzir essas questões e também a sociedade que passou a prestar mais atenção a esse tipo de assunto.

 

 

 

– Como fica para a banda a tua projeção nas redes sociais? O resto do pessoal concorda com tuas posições?

 

A gente tem uma vida independente da banda, eu sou um cidadão, eu escrevo, eu sou escritor, já lancei quatro livros, tenho uma vida que acontece em paralelo ao Detonautas que, claro que pode influenciar ou nao na banda e influenciou muito. Mas dentro da nossa convivência a gente tem respeito muito grande um pelo outro e pelo espaço que cada um ocupa dentro da banda e fora dela. Então assim, é claro que eu procuro ouvir muito os meus amigos e ponderar a respeito das considerações que são colocadas, mas eu nunca sofri nenhum tipo de censura dentro da banda.

 

Nem a minha postura, nem as músicas que eu trago, nem os assuntos que eu abordo. Sempre tive muita liberdade, são meus amigos mesmo, meus irmãos, pessoas que eu amo mesmo, que tenho o privilégio de ter ao meu lado. E a minha projeção nas redes sociais, ela tem essa balança, vamos dizer assim. Em alguns momentos ela pesa aqui para algumas questões que influenciaram de forma difícil, de momentos difíceis que agente passou com a banda. E em outros momentos ajudou bastante, conquistou vários espaços, abriu muitas portas e eu acho que dentro dessa balança, a gente , hoje talvez nesses últimos anos, 2016 17 para frente, a gente encontrou uma equalização para poder seguir e tentar canalizar essa energia para o Detonautas e não só para as minhas redes sociais.

 

 

– O Detonautas sofre muito tipo de discriminação por conta da postura política? Por outro lado, a postura política favorece a banda em outras situações?

O Detonautas sofreu um bombardeio muito pesado de 2014 pra cá, principalmente na época de 2014, 2015, 2016, 2017, foram anos muito difíceis pra banda, a gente teve muitas retaliações, de vários aspectos, tanto do ponto de vista comercial, de participação de eventos, etc. também por outras formas de retaliação. Mas a gente conseguiu resistir. Eu acho que até pros contratantes, pras pessoas que trabalham na indústria musical, fica bem claro que o Detonautas é uma banda coerente, que tem um posicionamento democrático, que a nossa postura não é partidária, ela é de pautas.

 

É de respeito à democracia e de temas sensíveis como racismo, opressão de modo em geral e temas que estão sendo debatidos agora. Então, se por um lado a gente sofreu muito no começo, que as coisas começaram a fervilhar mais aqui dentro do Brasil, em 2013 e 204, por ali. Hoje a gente percebe que as pessoas ouvem o Detonautas, entendem o Detonautas, escutam o que a gente tem para dizer. E isso favoreceu bastante nesse momento para que a gente pudesse se posicionar e cientes, né? De como funciona o mecanismo. A gente ter uma adesão também e ter um fluxo de público que até tá chegando com mais força pra banda agora. Então tudo é a forma como você dialoga com essas questões. E eu acho que agora a gente tem conseguido dialogar .

 

 

– Como foi o processo de composição dos últimos singles, “Micheque” e “Carta Ao Futuro”? Vocês estão incorporando alguns detalhes eletrônicos nas faixas…

 

Desde o começo da pandemia, no dia 15 de março, que foi decretado, não o lockdown, mas a norma de isolamento social, eu comecei a produzir muito, a tocar muito, compor muito. A gente fez nesses seis meses praticamente um disco inteiro, produzido e mixado, cada um na sua casa, no seu estúdio, respeitando o isolamento. E foi uma experiência diferente, porque se antes a gente se juntava para tocar e tudo e precisava tá com o outro, olhando no olho… a gente percebeu que além dessa maneira de escrever e compor, de produzir, existe essa outra maneira de fazer também. E tem funcionado muito bem pro Detonautas. A gente tem feito bons trabalhos.

 

Depois dessa primeira safra veio “Carta ao Futuro” que foi uma produção minha, do Renato e do Phil, aonde ele introduziu essa coisa mais eletrônica. Aquela orquestra, que foi uma sacada muito boa do Phill e ai eu e o Renato trabalhamos muito bem, não só a parte estética da música, com eletrônico, com o instrumental e tudo, mas também com os clipes com quem a gente teve a oportunidade de fazer uma animação muito legal o clipe é muito interessante tem uma crítica toda trabalhada em cima de conteúdos subliminares e mensagens que estão ali no ambiente do clipe, daquele desenho, daquela animação. Então e considero que esse momento de pandemia, ele trouxe, se teve alguma coisa de bom que a gente possa dizer, foi essa criatividade e essa forma de encontrar uma outra maneira de compor e produzir.

 

E “Micheque” nasceu em praticamente uma semana. O ocorrido foi num domingo e na terça a gente já tava com a música pronta, porque tinha uma base já produzida, que tava sem letra e eu fui e compus e fiz em cima dessa base e acabou saindo essa história da “Micheque”. Como a gente tá fulltime dentro de casa, a agente consegue se concentrar mais para produzir. É necessário até na velocidade, nessa velocidade que foi. E o resultado foi essas duas músicas que chamaram bastante atenção do público e tem tido um engajamento muito bom nas redes sociais e o Youtube. Então a gente tá aí aprendendo a se refazer no meio dessa confusão toda que a gente tá vivendo no país e a pandemia, e aprendendo a criar de uma maneira diferente. Reaprendendo, na verdade.

 

 

– Como você vê essa “refragmentação” dos lançamentos em singles e EPs? Isso ajuda o fã de música, a banda? Prejudica? Dá resultado?

 

Eu acho que esse novo modelo de consumo de música ele é muito volátil. Joga o artista em uma roda viva para que ele possa criar engajamento e demandas e etc. Joga a gente de certa forma em uma frequência mais complicada de criação. Antigamente a gente tinha um pouco mais de tempo. O Detonautas, por exemplo, era uma banda que nem lançava disco todo ano, lançava de dois em dois anos. O que dava pra gente uma margem maior de criação, de produção, etc. e a gente vê que hoje os artistas lançam freneticamente, praticamente um conteúdo por mês, dois ou três, enfim. E eu acho que isso pulveriza bastante o consumo, que as pessoas deixam de ter o apego emocional à obra e passam a ter uma relação superficial muitas vezes com uma música ou duas ou com uma playlist e não com o disco. Então a gente joga o jogo do mercado, porque a faz parte também, a gente se adaptou, aprendeu.

 

Mas eu diria que pra música, pra arte de modo geral, essa velocidade em que se joga os artistas para… alguns artistas, não são todos na verdade, pra poder acompanhar o ritmo do público é complicado. Eu não vejo isso com bons olhos, embora a gente tenha encontrado a nossa dinâmica. E hoje em dia é essa métrica, você lança um single, ou um ep. Tem gente que ainda lança discos, mas é mais raro e tudo. E vamos ver se com o tempo as coisas se acomodam um pouco e voltam para um ritmo mais… para que as pessoas possam desfrutar mais do trabalho e não ser essa coisa de ouvir a música uma semana e acabou e tchau e joga fora, tipo. Eu acho que existem músicas que vão perdurar e vão durar muito tempo, a gente tem no nosso repertório inclusive. Mas pra quem ta começando agora, principalmente, que não tem uma obra estruturada, que ainda tá construindo carreira, ficou mais difícil, eu acho. Acho que talvez ficou mais democrático, porque tem espaço pra todo mundo, mas fica mais difícil de ter longevidade na música. Então é uma faca de dois gumes ai bem delicada.

 

 

– Atualmente o que você anda ouvindo? Tem se encantado com algum artista – nacional, gringo – em especial? As bandas iniciantes te mandam material pra opinar?

 

Engraçado que dizem que depois que a gente passa de uma certa idade a gente tem tendência a não se abrir para novos artistas, a buscar na nossa memória afetiva as músicas dos artistas que a gente gosta e eu tenho o hábito de ouvir playlists de rock nacional, para poder ver se eu identifico algum artista legal.  Se eu identifico alguma coisa bacana no rock e até de outros estilos também. E existem alguns artistas com os quais eu já tenho uma relação, que eu gosto de falar sempre deles. A Anacrônica, que é uma banda de Curitiba, outro dia eu tava ouvindo a Selvagens a Procura de Lei, do Ceará e eu fico nessa busca. Vivendo e Ócio, O Terno, que já são até artistas mais reconhecidos que tem uma certa, já tem público, ja figuram entre uma geração que tem relevância dentro do rock. E eu acho que a linguagem das novas bandas, eu vejo nelas assim uma maneira tradicional de se fazer rock, não sei se isso é bom, acho que o rock tem que ousar mais .

 

Eu digo isso porque o Detonautas procura isso pra si, então eu tenho ouvido muito isso, as playlists e as vezes, eu nem to aqui pra ficar identificando tantos artistas. Eu posso falar do Canto Cego, que é uma banda aqui da Maré, que eu gosto muito, no Rio de Janeiro. E recebo alguns artistas que mandam material, eu escuto, eu tenho esse cuidado de ouvir e tal. Tem coisas que eu acho legal, quando eu acho alguma boa, eu divulgo. Quando eu não acho, eu evito também fazer crítica, porque eu acho que cada um tem um tempo de maturação e às vezes você faz uma crítica que acaba tirando a pessoa do foco. Se for pra fazer uma crítica, que seja construtiva, então eu tenho esse cuidado.

 

 

– Olhando pra trás, na carreira da banda, qual teu trabalho preferido? Tem algum? Ou é como preferir um filho ao outro?

 

Quando eu olho pra trás eu vejo o Detonautas de certa forma com trabalhos muito diferentes e muito interessantes em vários aspectos. E músic é estado de espírito, ne? Então, cada momento ali que a gente refletiu em um disco, ele representou um fase da banda, uma fase individual minha como compositor e uma fase de todos nós como artistas em maturação, em crescimento e tudo. Então, assim, tem um disco que eu gosto muito, que é o meu disco preferido do Detonautas, que é “O Retorno de Saturno” que eu acho que é uma obra de arte incrível.

 

Se eu fosse falar dos outros discos, eu ia colocar todos eles na mesma posição de representatividade, acho que são discos de rock muito legais, muito divertidos para momentos diferentes. E acredito que a tendência sempre é a gente sempre se distanciar com o tempo e ter um olhar diferente para aquilo que a gente construiu. E eu acho que a obra do Detonautas é uma obra em construção, eu não vejo o Detonautas congelado num estilo, numa maneira, eu acho que a gente consegue circular em vários estilos, mistura com rap, misturado com reggae, com hard rock, enfim, com estilos variados e tudo. E eu acho que isso é saudável, eu gosto dessa maneira de trabalhar e acredito que em cada lugar do Detonautas, em cada fase que a gente viveu nos últimos 20 anos ai, vai se encontrar uma influência diferente. Não são discos previsíveis e iguais.

 

 

– Qual tua opinião sobre a atual cena do rock nacional? Como você vê as pessoas reaças que gostam de rock? Detonautas tem algum fã reaça?

 

 

Eu vejo que o rock tá passando por um momento complicado, eu acho que de alguma maneira a gente se desconectou da linguagem que atinge a galera mais nova, acho que vale uma reflexão coletiva para todos nós, inclusive a gente faz essa reflexão constantemente. “Encaretou”, eu acho que ficou reacionário, acho que o rock tem uma coisa que me incomoda, mas da qual eu já fiz parte também, mas hoje com mais clareza eu vejo e acho que tem uma postura bastante elitista, não vejo como producente para o estilo, quando o rock se coloca como o melhor estilo e dai, de alguma maneira diminui os outros estilos, seja o funk, o pop, o axé, o pagode, enfim, qualquer tipo de estilo que não seja rock. Eu acho que essa postura não é uma postura legal do rockeiro achar que ele faz a melhor música, que o rock é o supra sumo da cultura e todo resto é menor. Acho que isso não é uma postura bacana.

 

Evoluímos, evolui muito nesse aspecto e tem muita gente reacionária no rock sim, porque houve uma confusão muito grande dentro do rock que sempre foi um sinal de contestação, o rock que tinha sempre uma bandeira de provocação, de contestação. Se coloca agora em uma postura conservadora que não tem nada a ver com o estilo, na minha opinião. Então tem uma galera mais velha que é mais reacionária, mas não dá pra generalizar e eu acho que a gente deixou bem claro quem como nós.

 

Então, se os fãs reacionários continuam ouvindo, e se eles se identificam com música, ou com uma música ou outra e são capazes de lidar com essa diversidade, então beleza. Mas não vejo em reacionários, de modo em geral, essa condição. Então é uma forma de filtro, de filtragem, de saber quem são as pessoas que estão ali com condições de conviver com a pluralidade e quem são as pessoas que estão ali e acham que são melhores que as outras e se essas pessoas não fizerem uma auto reflexão, através da nossa música, através de nossas ideias, etc, talvez elas. Talvez não atendam, não vão ser as pessoas das quais a gente sente falta. Então eu acredito que quem tá com a gente ´ta porque gosta, mesmo que discorde da minha posição política ou social, respeita e eu acho que respeito é fundamental em uma convivência democrática.

 

 

– Como você acha que a atual fase do país influencia na produção musical que temos?

 

Eu acho que em alguns estilos a atual fase do país reflete mais, eu não vejo isso tanto no rock do mainstream talvez no underground isso aconteça e eu talvez não esteja enxergando. Mas eu enxergo, por exemplo, no hip hop, muito essa postura de contestação, de tocar o dedo na ferida, de falar o que tem que falar e tal. Dentro das bandas de mainstream do rock eu não vejo ninguém efetivamente fazendo esse som com essa postura que o Detonautas tem.

 

Talvez a gente tenha saído na frente, pra não dizer que não tem ninguém, o último disco do CPM22, a última música, o single “Escravo” ela já é uma música que já tem uma crítica social que é uma coisa interessantíssima do CPM22 fazer, porque não era muito essa a abordagem da banda. Então eu vejo uma boa vontade de se tratar do assunto. O Dead Fish é uma banda que sempre produziu esse tipo de material, então não conta, eles fazem isso desde sempre. Eu tento analisar mais a parte dos artistas que não se posicionam nunca, claramente através da música ou através das suas redes sociais e etc. Mas pode ser que com o agravamento da situação que a gente vê no país, em vários aspectos o rock reaja de alguma forma e talvez a linguagem sirva para trazer pautas que são contestatórias e que são importantes até para se movimentar mesmo o estilo.

 

 

– Como você acha que sairemos dessa? Você é otimista?

 

Eu sou otimista do ponto de vista das pessoas que estão próximas de mim, eu acho que a gente tá aprendendo muito com esse momento em vários aspectos. E vale essa reflexão, mas do ponto de vista geral da sociedade não, eu acho que sou mais realista, eu acho que ão vai ter grandes mudanças não. A gente já vê que após seis meses ai de pandemia, muita gente já… e eu nem tô falando das pessoas que precisam sair para trabalhar, pois essas pessoas não foram protegidas ao longo da pandemia, foram expostas, mas a gente vê que o pensamento coletivo no Brasil, não é uma coisa muito relevante do ponto de vista do cidadão. As pessoas vivem o que interessa a elas e não se importam muito com o coletivo. Essa é a impressão que tá me dando, pelo menos quando eu saio, raras vezes que eu saio para ir no mercado, na farmácia, enfim, para respirar um pouco e aí eu vejo os bares cheios, as casas noturnas abertas mesmo com a proibição e coisas que são … que ainda não estão no momento que talvez e que nem foram autorizadas pelos prefeitos e governadores enfim.

 

E muitas pessoas já aglomeradas, se colocando em risco e colocando outras pessoas em risco. Sei que isso é uma decisão individual, mas que quando atinge o coletivo passa a ser uma questão que tem que ser pensada de forma geral, pra todo mundo e eu não estou vendo isso no Brasil. Me assusta um pouco a gente ter um nível de mil mortos por dia ainda e as pessoas meio que banalizando essa questão. Mas eu não estou aqui para julgar ninguém. Acho que dentro do meu universo, junto com meus filhos, minha mulher, minha família, comas pessoas que eu amo, com meus amigos de banda, com certeza a gente vai sair melhor do que entrou nessa pandemia.

 

Colaborou Ariana de Oliveira

 

 

 

2+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *