É exagero reclamar de BBB?

 

 

 

Chega o início do ano, desde que estamos neste século, e um evento se repete: uma nova edição do Big Brother Brasil na Globo. O reality show, que é criação holandesa, teve seu nome baseado no personagem criado por George Orwell para o livro “1984”, é líquido e certo. Há um bom tempo que todas as arestas de “realidade” foram limadas da atração, deixando-a cada vez com cara de irreal, pré-fabricada, forçada e artificial. Mas ninguém parece se importar muito com isso. Se fossem 20 girafas ou 20 antas encarceradas numa casa, interagindo, haveria audiência e mais: haveria defensores e detratores.

 

Eu fico a me perguntar. É exagero reclamar do BBB? É bem chato ter alguém postulando supostas verdades ou clamando ser detentor do saber máximo, legislando sobre o gosto alheio. Né? As pessoas assistem o que têm vontade, oras. Se querem – para usar um termo caro ao mercado – investir seu tempo disponível acompanhando as aventuras dos participantes, o que há para ser feito? Nada. Se há amigos teus, progressistas, articulados/as, queridos, vendo e debatendo sobre o BBB, o que fazer? Nadica de nada.

 

Tenho uma teoria simpática sobre o povo brasileiro e a Globo. É um caso de amor intenso e abusivo. O povo ama a emissora carioca, mesmo que essa tenha feito tanto mal ao longo dos anos, apoiado ditadura, deposto governo, sempre estado do lado do rico, direcionado sua programação e jornalismo para privilegiar visões da vida e da história que colocam o pobre, a minoria, o progressista, junto com corrupção, crime, desvio de conduta e exotismo. Mesmo assim, depois de todos esses anos, novelas, anas marias bragas, faustões, fantásticos, o povo segue assistindo domesticadamente a programação. Não é diferente com o BBB, tanto que a atração chegou a alçar o ex-apresentador pedro bial à condição de “poeta”, ele que editou um livro que compilava seus … discursos de despedida de participantes da atração.

 

BBB é o exercício da sociedade brasileira, de prestar atenção nos outros em vez de olhar pra si. Agora, que a atração colocou famosos e anônimos – segundo eu li em pesquisa para este rápido texto – o ato de bisbilhotar fica ainda mais irresistível. Nada é mais legal que olhar para o gramado do vizinho, especialmente quando ele é famoso e rico. É o que se faz por aqui, desde Cabral.

 

Mas e daí? Qual o problema de gostar disso?

 

Nenhum, oras.

 

Ver BBB é exercitar e perpetuar o seu sagrado direito de ser brasileiro.

+3

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

2 thoughts on “É exagero reclamar de BBB?

  • 27 de janeiro de 2021 em 12:18
    Permalink

    Valeu, Fernando!

    0
    Resposta
  • 27 de janeiro de 2021 em 10:53
    Permalink

    Exatamente !!!! Mais um excelente texto, resumiu como eu jamais conseguiria. Existe um elitismo cultural que renega o popular, já fui bem assim.
    Parabéns pela bela reflexão!

    +1
    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *