Nils Frahm – Encores 2

Gênero: Eletrônico, Instrumental
Duração: 26 min.
Faixas: 4
Produção: Nils Frahm
Gravadora: Erased Tapes

3.5 out of 5 stars (3,5 / 5)

O alemão Nils Frahm é um artista brilhante, cuja popularidade vem aumentando (apenas lá fora, infelizmente) rapidamente. Pianista de origem, adepto da eletrônica como meio facilitador/ferramenta artística em sua obra, Frahm tem trabalhos que merecem sua atenção desde já.

Em 2018 ele lançou o belo álbum “All Melody”, gravado em seu estúdio particular em Berlim. Nele, Frahm mantinha este hibridismo acústico/eletrônico ao longo de 12 faixas belas e límpidas. Dessas sessões vêm as quatro canções que integram este belo EP “Encores 2”. Uma diferença marcante entre estas gravações e as composições que entraram no álbum do ano passado: o material aqui e eminentemente acústico.

Claro, não é totalmente acústico, mas a eletrônica que Frahm usa ao longo do EP surge como efeito de ambiência, discreta, mas marcante. São detalhes de fundo, de espaço, de polidez sonora, mais ou menos como Brian Eno costumava fazer em suas gravações de ambient music nos anos 1970.

O piano de Nils Frahm surge triste e integrando uma paisagem urbana fria, enevoada, provavelmente no inverno. “Sweet Little Lie”, “A Walkinbg Experience” e “Talisman” são faixas-irmãs, todas criadas no mesmo parâmetro de piano x ambiente, lentas, contemplativas e melancólicas. Já “Spells”, a última do EP, é um épico eletrônico e
inesperado, com mais de 12 minutos de duração, cheios de surpresa.

Este EP é uma boa chance para você se iniciar no trabalho de Nils Frahm.

Ouça primeiro: “A Walking Experience”.

1+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *