Lambchop – This (Is What I Wanted To Tell You)

Gênero: Rock Alternativo, Eletrônica
Duração: 45 min
Faixas: 8
Produção: Kurt Wagner
Gravadora: Merge

3.5 out of 5 stars (3,5 / 5)

Lambchop é uma banda que pertence a um raro grupo de artistas independentes, cuja produção deu as caras por aqui, na virada do milênio, através da iniciativa corajosa de gravadoras como a Trama e a Sum. Contra as normas do mercado, discos independentes e raros ganharam versão nacional e surgiram com relativa facilidade em lojinhas de disco que hoje só existem na memória. Desta superbanda de Memphins, Tennessee, vieram “Nixon” (2000); a coletânea de lados-B, remixes e sobras de estúdio, “Tools In The Dryer” (2001) e o ótimo “Is A Woman”, de 2002. Depois, como vieram, se foram, tendo a banda chegado a tocar no Tim Festival, em sua edição de 2003. Eita, bons tempos, hein?

Esqueça tudo isso e venha pra 2019. Lambchop nunca parou e, se você tem um mínimo de familiaridade com a banda, sabe que ela é duas coisas: uma pequena orquestra de country urbana com tinturas de soul music branquela e um produto da mente inquieta e esquisita de Kurt Wagner. Estes dois pilares se mantiveram ao longo dos 25 anos de carreira dos sujeitos, com uma sutil alteração no primeiro. Em vez de soar como uma banda, digamos, orgânica, Lambchop resolveu lançar um disco em que – pela primeira vez – pisa fundo no terreno da música eletrônica. Wagner nunca foi avesso a esta ideia e podemos notar vários remixes e experimentos em singles e coletâneas do passado, mas, até agora, o Lambchop era muito mais um grupo de música eletroacústica e nada além.

“This (Is What I Wanted To Tell You)” é um abraço a um novo tempo. Na verdade, nem é tanto assim. As mudanças sonoras estão em dois focos: instrumentais com batidas sintéticas perceptíveis e o uso – exagerado – de autotune nos vocais de Kurt. Estas duas mudanças não chegam a incomodar o ouvinte neófito e o fã mais antigo. A essência está lá, imutável: longas canções sobre relacionamentos, perdas, tristezas, revestidas com ironia e autodepreciação, envoltas por uma manta instrumental rica, que arranha a ideia daquelas gravações “countrypolitan” da virada dos anos 1960/70, que fizeram a fama e a belezura de gente como Dan Penn, Glen Campbell e Bobby Gentry.

Duas canções saltam aos ouvidos: “Everything For You” e “The Lasting Last Of You”, muito mais pelos arranjos sensíveis e belos. A primeira tem progressão de baixo/bateria convencional, mas muito bem feita, devidamente turbinada pela onipresença de pianos e teclados, que fornecem uma sensação perfeita de estarmos ouvindo hoje algo que é antigo, mas não exatamente. Confuso, mas é isso que a música provoca, quase uma janela no tempo ao vivo. “The Lasting Last Of You” é quase uma “lentinha” do grupo mas mostra-se complexa e cheia de alternativas. Além delas, a canastrona “This Is What I Wanted To Tell You” e a “radiofônica” “The December-ish You” formam este núcleo duro de canções e estilo, presente em todo álbum do Lambchop.

Este disco, apesar de estar longe de ocupar posição de protagonismo na carreira do grupo, serve como um eficaz atestado de vida e mostra que Kurt Wagner segue ativo e disposto a procurar novos caminhos e abordagens para suas canções. Seu estilo, como sabemos há 25 anos, permanece o mesmo e não deverá mudar. Ainda bem.

Ouça primeiro: “Everything For You”

0

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *