A Cultura e a Lava-Jato

 

Não sei se algum veículo sobre cultura pop irá se pronunciar sobre as denúncias feitas pelo The Intercept Brasil. Provavelmente nenhum irá. Talvez eu não devesse fazê-lo, mas passa diretamente pela proposta da Célula Pop a percepção da cultura como uma consequência – às vezes causa – da sociedade em que vivemos. E o Brasil tem uma sociedade, que está inserida no mundo, certo? Pode parecer óbvio, mas parece às vezes que o país flutua no espaço, como se nada que ocorresse lá fora nos afetasse diretamente. Pois saibam que nos afeta, e muito.

 

O site The Intercept Brasil, editado e comandado pelo vencedor do Prêmio Pulitzer, Glenn Greenwald, teve acesso a informações obtidas, supostamente por hackers, do celular do Ministro da Justiça, Sérgio Moro, que comprovam inúmeros delitos e situações não-condizentes com sua função de magistrado e de principal juiz dos processos advindos das investigações da Operação Lava-Jato. São chats de aplicativos de conversa, vídeos, mensagens SMS, enfim, várias evidências de que Moro, agiu de forma incorreta e que tal postura compromete – e muito – a lisura das investigações e sua autenticidade, especialmente nos processos em que o ex-Presidente Lula foi categorizado como réu.

 

Se tais informações são verdadeiras – e parecem ser – todos os processos formados a partir das investigações da Lava-Jato podem ser considerados viciados, falhos e, numa consequência lógica, passíveis de anulação. As informações também apontam vários atos inapropriados, nos quais o candidato do PT à Presidência nas eleições do ano passado, Fernando Haddad, teria sido prejudicado, especialmente no que se refere às entrevistas a que tinha direito no segundo turno, por conta das ausências do candidato adversário aos debates nas emissoras de TV.

 

Digo isso porque, em última instância, os veículos de comunicação que participaram – e avalizaram a Lava-Jato como pauta principal em seus noticiários políticos – são os mesmos que emitem opiniões e norteiam suas editorias de cultura, música, cinema, TV etc. Será que o mesmo veículo, que abraça uma pauta como esta, que avaliza atos que colocaram em xeque a lisura do processo jurídico de um ex-Presidente e, mais ainda, que colaboram com a campanha de um candidato à Presidência como o que venceu as eleições passadas, teriam isenção para tratar de cultura, música, cinema, etc?

 

Talvez sim, talvez não.

 

A questão é oportuna porque foi eleito um político que, à frente de uma campanha furiosa, demonstrou um enorme desprezo pela cultura e pelo conhecimento. E estas são áreas nas quais a cobertura jornalística cultural está inserida. Mais que um tiro no pé, apoiar esta gente é um suicídio operacional, digamos. Se a própria lógica da Internet dá a impressão de “terceirizar” a cobertura cultural para blogs e sites menores – como a própria Célula Pop – ainda há muita força nos tentáculos virtuais da chamada “grande mídia”. Isso se traduz de diversas formas, de credenciamentos a acessos exclusivos a lançamentos. Como fazer, agora que esta gente determinou fechamento de teatros, cancelamento de patrocínios que sustentavam setores inteiros da produção cultural brasileira?

 

Vemos manifestações adjacentes destas pessoas nos cortes de verbas de incentivo à cultura, sob a alegação de que não há fundos para tal. Porém, as mesmas pessoas não suspendem isenções fiscais bilionárias a multinacionais. Mesmo assim, as taxas de desemprego são crescentes, o que deixa de justificar a ajuda a estas empresas, sob a alegação de que “geram emprego”. São impostos, tarifas, taxas que deixam de se converter em dinheiro para o país. Veja, isso não é uma manifestação política, mas um questionamento sincero. Como apoiar um governo que não tem o incentivo à cultura como um de seus pilares?

 

E como não achar que a performance dos investigadores e envolvidos na Lava-Jato não influenciou diretamente a escolha destas pessoas para governar o país?

 

Fazer jornalismo cultural longe do olhar para a política é deixar grande parte do processo do lado de fora.

 

Há pouco tempo, o cantor inglês Morrissey foi acusado de alinhar-se ideologicamente à extrema direita britânica. Como alguém que tem um histórico de canções destinadas a párias sociais, a menos privilegiados comportamentais, a gente que sobreviveu emocionalmente por conta de suas letras e, sobretudo, que acreditou em seu desprezo pelo sistema e pela monarquia inglesa nos anos 1980, pode, hoje, concordar com ataques a imigrantes, fazer declarações racistas e dizer que a segurança do país passa, necessariamente, por isso? Analisar a carreira de Morrissey sem este dado recente? Impossível.

 

Como analisar a carreira de cantores/compositores brasileiros que, nos anos 1980, faziam canções que pareciam se alinhar com uma veia contestadora e hoje, anos depois, se notabilizam por emitir declarações de preconceito e truculência?

 

A Célula Pop é um site ainda bem pequeno, mas já conhecido por sua maneira distinta de abordar as questões. Está tudo interligado. Fiquem atentos e fortes.

 

Link para o The Intercept Brasil: https://theintercept.com/brasil/

2+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *