Quando Bruce Springsteen volta

 

 

Hoje, 10 de setembro de 2020, acordei com a notícia de um novo single de Bruce Springsteen. Na verdade, fui dormir com o boato de que “Letter To You”, a novíssima canção, sairia hoje. À meia-noite, olhei o serviço de streaming e nada mudou. Pensei que era apenas um rumor, mas Bruce é honesto até nos boatos. Logo mais, logo menos, a nova faixa entrou no Spotify e já foi ouvida por seus fidelíssimos fãs. Sendo assim, eu mesmo – e todos por aqui – fãs, vamos às boas novas. Vem disco novo aí.

 

“Letter To You” é a faixa-título do novíssimo álbum de Bruce, que será lançado no dia 23 de outubro. E, para a nossa felicidade máxima, é mais um disco com a E Street Band, algo que não acontecia desde 2014, quando “High Hopes”, um álbum de sobras e canções executadas em versões alternativas saiu. Na verdade, desde “Wrecking Ball”, lançado em março de 2012, Bruce não fazia um registro em estúdio com sua velha banda. Sendo assim, a saudade é ainda maior.

 

Em declarações recentes, Bruce disse que sentiu uma espécie de bloqueio criativo na hora de escrever canções para a banda por cerca de sete anos. O período bate com o hiato de 2012 até agora, cobrindo, não só “High Hopes” mas seu projeto “Western Stars”, de 2019, que rendeu um filme e uma trilha sonora. Agora o Boss já virou a chave e voltou ao modo normal. Também contou que o novo trabalho foi gravado em cinco dias, sem overdubs e com a banda toda reunida em seu estúdio caseiro em Asbury Park, NJ.

 

Pelo arranjo e clima, “Letter To You” lembra algo que poderia estar no belíssimo “The Rising”, de 2002. Tem o arranjo padrão das gravações da E Street Band, ou seja, camadas de guitarras, a bateria tonitroante, o órgão e o piano entrelaçados e a voz trovejante do Boss, que, neste caso específico, vem marcada pela idade e pela experiência. Bruce é desses artistas que aceitam o passar do tempo, o abraçam e se modificam. A letra da canção, não por acaso, fala em experiência, vivência e, a partir deles, do conhecimento/ciência da verdade. Como resultado disso tudo, Bruce se diz escrevendo uma carta “com sangue e tinta” para um destinatário não-identificado. Pode ser você. Ou eu.

 

Agora é ficar de olho nos próximos lançamentos até o dia 23 de outubro.

 

Tracklist:

 

1. One Minute You’re Here

2. Letter To You

3. Burnin’ Train

4. Janey Needs A Shooter

5. Last Man Standing

6. The Power Of Prayer

7. House Of A Thousand Guitars

8. Rainmaker

9. If I Was The Priest

10. Ghosts

11. Song For Orphans

12. I’ll See You In My Dreams

 

 

 

7+

CEL

Carlos Eduardo Lima (CEL) é doutorando em História Social, jornalista especializado em cultura pop e editor-chefe da Célula Pop. Como crítico musical há mais de 20 anos, já trabalhou para o site Monkeybuzz e as revistas Rolling Stone Brasil e Rock Press. Acha que o mundo acabou no início dos anos 90, mas agora sabe que poucos e bons notaram. Ainda acredita que cacetadas da vida são essenciais para a produção da arte.

2 thoughts on “Quando Bruce Springsteen volta

  • 10 de setembro de 2020 em 14:46
    Permalink

    Parabéns. Excelente texto de quem nitidamente sabe do que está falando.

    Como fã de Bruce de longa data (talvez não tão longa, são 15 anos dedicados a sua arte), aguardo pela chegada do novo álbum e sua resenha completa!

    Obrigado, nos vemos further up, on the road!

    1+
    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *